Regional da Aged de Balsas Intensifica Fiscalizações Durante o Vazio Sanitário do Algodão no Sul do Estado.

Com o objetivo de impedir a proliferação do Bicudo-do-algodoeiro, no sul do Estado, propriedades produtoras de algodão foram fiscalizadas pela Aged nos municípios de Balsas, Tasso Fragoso e Alto Parnaíba. O motivo é o período do vazio sanitário vegetal para a cultura do algodoeiro, quando a atividade fica suspensa do dia 1º de outubro a 30 de novembro no sul do Estado de acordo com a portaria nº 497, de 13 de Julho de 2018. A medida visa estabelecer ações de caráter técnico-administrativo e medidas fitossanitárias obrigatórias visando à prevenção e ao controle da praga Bicudo-do-algodoeiro no Estado do Maranhão, considerando a importância da cultura do algodoeiro na economia maranhense.

 

    A razão da proibição, segundo a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão – AGED/MA, é que novas plantações no período estabelecido facilitam a proliferação de pragas como o Bicudo-do-algodoeiro, que comprometem a produção do estado. O período em que os plantios ficam suspensos começa em 1º de outubro e vai até 30 de novembro, na regional de Balsas, sul do Estado do Maranhão.

    Durante o vazio sanitário vegetal, excepcionalmente, a Aged poderá autorizar o plantio e a manutenção de plantas vivas do algodoeiro fora dos períodos proibitivos, quando solicitado pelo interessado através de requerimento e mediante assinatura do Termo de Compromisso e Responsabilidade, exclusivamente para a pesquisa científica para melhoramento genético e para a produção e multiplicação, pelas Instituições de Pesquisas estabelecidas no Estado do Maranhão, de sementes genéticas de variedades de algodoeiro, caso sejam de interesse público.

 

    “A fiscalização ocorreu em 22.345 hectares nas principais regiões produtoras no sul do Estado onde a cultura do algodoeiro foi cultivada na safra passada. Os fiscais percorrem a Serra do Penitente, Chapada do Medonho e Batavo – Gerais de Balsas, nos municípios de Tasso Fragoso, Alto Parnaíba e Balsas, respectivamente. O vazio sanitário vegetal para a cultura do algodoeiro, período que sabemos ser de ausência total de plantas vivas de algodoeiro no campo, período onde essa atividade fica suspensa do dia 1º de outubro a 30 de novembro de acordo com a portaria nº 497, de 13 de Julho de 2018. Considero esse início de fiscalização um sucesso, orientando aos produtores sobre a destruição das plantas do algodoeiro com risco fitossanitário, ou seja, tigueras, evitando assim a proliferação da praga Bicudo-do-algodoeiro, pois sabemos da importância da cultura do algodoeiro na economia maranhense”, explica Eugênio Pires, chefe da regional de Balsas.